O Cabeça - Leitura Completa a cada dia
Seja Bem Vindoa(a) ao forum e desfrute de todo e qualquer tipo de leitura, não importando tua religião, posição política, classe social. História, Filosofia, Sociologia, Poesia, Literatura Brasileira e estrangeira etc. fazem parte do imenso hall da literatura mundial.

Uma mente vazia é uma mente sem vida
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Últimos assuntos
» Autor: Hugo de Santis
Qui Dez 09, 2010 5:58 pm por Admin

» Autora: Tainara Freitas
Qui Dez 09, 2010 5:52 pm por Admin

» Autor: João Fernandes Silva
Qui Dez 09, 2010 5:50 pm por Admin

» Autor: Pablo Treuffar
Qui Dez 09, 2010 5:48 pm por Admin

» ATENÇÃO AUTORES
Ter Dez 07, 2010 9:58 pm por Admin

» O PUTRAFICA - uma ode para Demétrio Tenório de Mello
Ter Dez 07, 2010 7:19 pm por Pablo Treuffar

» O Lobo e a Cobra - João Fernandes
Ter Dez 07, 2010 5:24 pm por João Pedro Fernandes Sil

» Escolas Literárias do Brasil
Qua Dez 01, 2010 10:12 pm por Hugo de Santis

» Fonética (Gramática)
Qui Nov 25, 2010 2:44 pm por Hugo de Santis

Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Dezembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31      

Calendário Calendário

Estatísticas
Temos 11 usuários registrados
O último usuário registrado atende pelo nome de Pablo Treuffar

Os nossos membros postaram um total de 32 mensagens em 20 assuntos

Álvares de Azevedo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Moderador Álvares de Azevedo

Mensagem  Admin em Sab Out 30, 2010 4:03 pm

A lagartixa



A lagartixa ao sol ardente vive
E fazendo verão o corpo espicha:
O clarão de teus olhos me dá vida,
Tu és o sol e eu sou a lagartixa.



Amo-te como o vinho e como o sono,
Tu és meu copo e amoroso leito...
Mas teu néctar de amor jamais se esgota,
Travesseiro não há como teu peito.



Posso agora viver: para coroas
Não preciso no prado colher flores;
Engrinaldo melhor a minha fronte
Nas rosas mais gentis de teus amores



Vale todo um harém a minha bela,
Em fazer-me ditoso ela capricha...
Vivo ao sol de seus olhos namorados,
Como ao sol de verão a lagartixa.
avatar
Admin
Administrador

Mensagens : 9
Pontos : 2630
Reputação : 0
Data de inscrição : 29/10/2010

Ficha de personagem
Livros: 20

Ver perfil do usuário http://ocabeca.cultureforum.net

Voltar ao Topo Ir em baixo

Moderador À T...

Mensagem  Hugo de Santis em Sab Out 30, 2010 4:13 pm



Amoroso palor meu rosto inunda,
Mórbida languidez me banha os olhos,
Ardem sem sono as pálpebras doridas,
Convulsivo tremor meu corpo vibra:
Quanto sofro por ti! Nas longas noites
Adoeço de amor e de desejos
E nos meus olhos desmaiando passa
A imagem voluptuosa da ventura...
Eu sinto-a de paixão encher a brisa,
Embalsamar a noite e o céu sem nuvens,
E ela mesma suave descorando
Os alvacentos véus soltar do colo,
Cheirosas flores desparzir sorrindo
Da mágica cintura.
Sinto na fronte pétalas de flores,
Sinto-as nos lábios e de amor suspiro.
Mas flores e perfumes embriagam,
E no fogo da febre, e em meu delírio
Embebem na minh'alma enamorada
Delicioso veneno
Estrela de mistério! Em tua fronte
Os céus revela, e mostra-me na terra,
Como um anjo que dorme, a tua imagem
E teus encantos onde amor estende
Nessa morena tez a cor de rosa
Meu amor, minha vida, eu sofro tanto!
O fogo de teus olhos me fascina,
O langor de teus olhos me enlanguesce,
Cada suspiro que te abala o seio
Vem no meu peito enlouquecer minh'alma!
Ah! vem, pálida virgem, se tens pena
De quem morre por ti, e morre amando,
Dá vida em teu alento à minha vida,
Une nos lábios meus minh'alma à tua!
Eu quero ao pé de ti sentir o mundo
Na tua alma infantil; na tua fronte
Beijar a luz de Deus; nos teus suspiros
Sentir as vibrações do paraíso;
E a teus pés, de joelhos, crer ainda
Que não mente o amor que um anjo inspira,
Que eu posso na tu'alma ser ditoso,
Beijar-te nos cabelos soluçando
E no teu seio ser feliz morrendo!


Última edição por Hugo de Santis em Sab Out 30, 2010 4:16 pm, editado 1 vez(es)
avatar
Hugo de Santis

Mensagens : 21
Pontos : 2641
Reputação : 0
Data de inscrição : 30/10/2010
Idade : 24
Localização : Goiânia

Ficha de personagem
Livros: 20

Ver perfil do usuário http://www.pasargadadeumlouco.blogspot.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Moderador Adeus, meus sonhos!

Mensagem  Hugo de Santis em Sab Out 30, 2010 4:15 pm

Adeus, meus sonhos, eu pranteio e morro!
Não levo da existência uma saudade!
E tanta vida que meu peito enchia
Morreu na minha triste mocidade!
Misérrimo! Votei meus pobres dias
À sina doida de um amor sem fruto,
E minh'alma na treva agora dorme
Como um olhar que a morte envolve em luto.
Que me resta, meu Deus?
Morra comigo
A estrela de meus cândidos amores,
Já não vejo no meu peito morto
Um punhado sequer de murchas flores!
avatar
Hugo de Santis

Mensagens : 21
Pontos : 2641
Reputação : 0
Data de inscrição : 30/10/2010
Idade : 24
Localização : Goiânia

Ficha de personagem
Livros: 20

Ver perfil do usuário http://www.pasargadadeumlouco.blogspot.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Moderador Lembrança de morrer

Mensagem  Hugo de Santis em Sab Out 30, 2010 4:19 pm


No more! o never more!
SHELLEY.



Quando em meu peito rebentar-se a fibra
Que o espírito enlaça à dor vivente,
Não derramem por mim nem uma lágrima
Em pálpebra demente.



E nem desfolhem na matéria impura
A flor do vale que adormece ao vento:
Não quero que uma nota de alegria
Se cale por meu triste passamento.



Eu deixo a vida como deixa o tédio
Do deserto, o poento caminheiro
— Como as horas de um longo pesadelo
Que se desfaz ao dobre de um sineiro;



Como o desterro de minh'alma errante,
Onde fogo insensato a consumia:
Só levo uma saudade — é desses tempos
Que amorosa ilusão embelecia.



Só levo uma saudade — é dessas sombras
Que eu sentia velar nas noites minhas...
De ti, ó minha mãe, pobre coitada
Que por minha tristeza te definhas!



De meu pai... de meus únicos amigos,
Poucos — bem poucos — e que não zombavam
Quando, em noite de febre endoudecido,
Minhas pálidas crenças duvidavam.



Se uma lágrima as pálpebras me inunda,
Se um suspiro nos seios treme ainda
É pela virgem que sonhei... que nunca
Aos lábios me encostou a face linda!



Só tu à mocidade sonhadora
Do pálido poeta deste flores...
Se viveu, foi por ti! e de esperança
De na vida gozar de teus amores.



Beijarei a verdade santa e nua,
Verei cristalizar-se o sonho amigo....
Ó minha virgem dos errantes sonhos,
Filha do céu, eu vou amar contigo!



Descansem o meu leito solitário
Na floresta dos homens esquecida,
À sombra de uma cruz, e escrevam nelas
— Foi poeta — sonhou — e amou na vida.—



Sombras do vale, noites da montanha
Que minh'alma cantou e amava tanto,
Protegei o meu corpo abandonado,
E no silêncio derramai-lhe canto!



Mas quando preludia ave d'aurora
E quando à meia-noite o céu repousa,
Arvoredos do bosque, abri os ramos...
Deixai a lua prantear-me a lousa!
avatar
Hugo de Santis

Mensagens : 21
Pontos : 2641
Reputação : 0
Data de inscrição : 30/10/2010
Idade : 24
Localização : Goiânia

Ficha de personagem
Livros: 20

Ver perfil do usuário http://www.pasargadadeumlouco.blogspot.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Moderador É ela! É ela! É ela! É ela!

Mensagem  Hugo de Santis em Sab Out 30, 2010 4:21 pm



É ela! É ela! - murmurei tremendo,
E o eco ao longe murmurou - é ela!
Eu a vi... minha fada aérea e pura -
A minha lavadeira na janela!
Dessas águas-furtadas onde eu moro
Eu a vejo estendendo no telhado
Os vestidos de chita, as saias brancas;
Eu a vejo e suspiro enamorado!
Esta noite eu ousei mais atrevido
Nas telhas que estalavam nos meus passos
Ir espiar seu venturoso sono,
Vê-la mais bela de Morfeu nos braços!
Como dormia! Que profundo sono!...
Tinha na mão o ferro do engomado...
Como roncava maviosa e pura!...
Quase caí na rua desmaiado!
Afastei a janela, entrei medroso...
Palpitava-lhe o seio adormecido...
Fui beijá-la... roubei do seio dela
Um bilhete que estava ali metido...
Oh! de certo... (pensei) é doce página
Onde a alma derramou gentis amores;
São versos dela... que amanhã de certo
Ela me enviará cheios de flores...
Tremi de febre!
Venturosa folha!
Quem pousasse contigo neste seio!
Como Otelo beijando a sua esposa,
Eu beijei-a a tremer de devaneio...
É ela! É ela! - repeti tremendo;
Mas cantou nesse instante uma coruja...
Abri cioso a página secreta...
Oh! Meu Deus! Era um rol de roupa suja!
Mas se Werther morreu por ver Carlota
Dando pão com manteiga às criancinhas
Se achou-a assim mais bela - eu mais te adoro
Sonhando-te a lavar as camizinhas!
É ela! É ela! meu amor, minh'alma,
A Laura, a Beatriz que o céu revela...
É ela! É ela! - murmurei tremendo,
E o eco ao longe suspirou - é ela!
avatar
Hugo de Santis

Mensagens : 21
Pontos : 2641
Reputação : 0
Data de inscrição : 30/10/2010
Idade : 24
Localização : Goiânia

Ficha de personagem
Livros: 20

Ver perfil do usuário http://www.pasargadadeumlouco.blogspot.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Moderador Soneto I

Mensagem  Hugo de Santis em Sab Out 30, 2010 8:14 pm



Ao sol do meio-dia eu vi dormindo
Na calçada da rua um marinheiro,
Roncava a todo o pano o tal brejeiro
Do vinho nos vapores se expandindo!



Além um Espanhol eu vi sorrindo
Saboreando um cigarro feiticeiro,
Enchia de fumaça o quarto inteiro.
Parecia de gosto se esvaindo!



Mais longe estavaum pobretão careca
De uma esquina lodosa no retiro
Enlevado tocando uma rabeca!



Venturosa indolência! não deliro
Se morro de preguiça... o mais é seca!
Desta vida o que mais vale um suspiro?
avatar
Hugo de Santis

Mensagens : 21
Pontos : 2641
Reputação : 0
Data de inscrição : 30/10/2010
Idade : 24
Localização : Goiânia

Ficha de personagem
Livros: 20

Ver perfil do usuário http://www.pasargadadeumlouco.blogspot.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Moderador Re: Álvares de Azevedo

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum